Por uma ADSE pública e ao serviço dos trabalhadores beneficiários

170915 ListaG ADSE 288px LISTA G AO CONSELHO GERAL E DE SUPERVISÃO DA ADSE APRESENTA PROGRAMA

Os membros que compõem a Lista G ao Conselho Geral e de Supervisão da ADSE apresentaram, hoje, dia 15, o seu programa, durante uma sessão pública realizada no Auditório do Montepio, em Lisboa.

Na iniciativa, o cabeça de lista Francisco Braz realçou a importância da eleição de representantes para Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, realçando que este órgão, apesar de não ter poderes executivos, permite um amplo campo de intervenção no acompanhamento, controlo, consulta e participação na definição das linhas gerais de actuação da ADSE.

Face à alteração jurídica da natureza da ADSE, que desde Janeiro último foi transformada em Instituto Público de Protecção na Doença (ADSE, I.P.), Francisco Braz defendeu a necessidade de preservar o carácter público do sistema e contrariar os apetites dos grupos económicos, na área dos seguros e da saúde.

Numa sessão em que também intervieram os membros da lista, António Nabarrete e Manuel Ramos, bem como o economista Eugénio Rosa, foi salientada a necessidade de o Estado assegurar a sustentabilidade do sistema, assumindo, como entidade empregadora, a sua quota-parte nas contribuições.

Neste sentido, a Lista G defende a redução das contribuições dos trabalhadores dos actuais 3,5 por cento para 1,5 por cento (contribuição agravada pelo anterior governo PSD/CDS-PP).

A Lista G defende igualmente o alargamento da ADSE a todos os trabalhadores da Administração Pública com contrato individual de trabalho abrangidos pelo Código de Trabalho (estimando o seu número em mais de 90 mil).

Ao mesmo tempo, os candidatos da Lista G comprometem-se a rejeitar qualquer redução dos benefícios actualmente existentes, bem como a combater planos de transformação da ADSE num mero seguro de saúde.

A este propósito sublinham que A ADSE assenta na solidariedade interprofissional e intergeracional o que não acontece num seguro de saúde privado, ou seja, todos contribuem com a mesma percentagem do seu salário, usufruindo benefícios iguais, independentemente do montante descontado ou do escalão etário.