Trabalhadores dos SMAS de SINTRA marcam 4 dias de luta em Março

STAL Sintra fcde0 PELO CUMPRIMENTO DO CADERNO REIVINDICATIVO

Os trabalhadores dos SMAS de Sintra decidiram marcar uma jornada de luta para os dias 16, 17, 18 e 19 de Março, exigindo a resolução dos problemas expostos ao Conselho de Administração no caderno reivindicativo apresentado há um ano.

Os trabalhadores exigem a discussão e aprovação do Regulamento Interno dos SMAS, com condições similares às dos trabalhadores da Câmara Municipal de Sintra.

Pretendem também que os trabalhadores da RSU dos turnos da noite e da tarde tenham direito ao mesmo número de fins-de-semana completos que os trabalhadores afectos ao turno da manhã.

Os trabalhadores exigem igualmente a ampliação dos balneários e a retirada das viaturas daquele espaço que hoje também serve de garagem.

Reclamam ainda que os SMAS agilizem os procedimentos nos casos de acidentes de trabalho, considerando que os tempos de espera entre consultas, meios de diagnóstico, intervenções cirúrgicas, fisioterapia, etc., em muitas circunstâncias, comprometem a total recuperação dos trabalhadores.

Neste sentido, os trabalhadores defendem a criação de um serviço de medicina a funcionar nos SMAS de Sintra, assim como a celebração de protocolos com clínicas que visem tornar mais expedito o acesso aos meios de diagnóstico e aos tratamentos necessários.

Entre as exigências constam também a melhoria dos fardamentos e a revisão das normas de equipamentos de protecção individual e fardamentos; a melhoria do mobiliário e das condições de funcionamento e higiene do refeitório e bares.

Por outro lado, os trabalhadores exigem um plano de renovação e manutenção da frota automóvel dos SMAS, e o fim das pressões para que operem com viaturas que não oferecem condições de segurança, bem como das ferramentas mecânicas de vários sectores, que estão também num elevado estado de degradação, e de outros equipamentos.

Por último destaca-se a reivindicação da atribuição do Suplemento de Insalubridade, Penosidade e Risco a todos os trabalhadores que laboram em condições semelhantes de insalubridade.

Ver Comunicado