Governo dá o «dito pelo não dito»

stal reuniu b9f48STAL ENTREGA TOMADA DE POSIÇÃO SOBRE O DESCONGELAMENTO DAS PROGRESSÕES

Uma delegação do STAL desloca-se hoje, dia 25, pelas 15h, à Secretaria de Estado da Administração e do Emprego Público (SEAEP) para entregar uma tomada de posição sobre o descongelamento de progressões, que será igualmente enviada ao Secretário de Estado das Autarquias Locais.

No documento, o STAL denuncia o posicionamento do governo que, em sessões de esclarecimento efetuadas no dia 23, no Porto e em Coimbra, contando com a presença do Secretário de Estado das Autarquias Locais e diversos juristas da DGAEP, da DGAL e das CCDR, procura fazer vingar a interpretação de que os trabalhadores que auferem o salário mínimo nacional, e que integram as posições 1 e 2 da Tabela Remuneratória Única (TRU), progrediriam para a 3.ª posição, cujo valor é de € 583,58.

Para o STAL, esta posição contraria a posição da SEAP nas negociações com os sindicatos e constitui uma grosseira ofensa à dignidade dos trabalhadores, sendo gritante a injustiça que lhe está subjacente.

Isto significaria que esses trabalhadores teriam uma progressão de 3,58 euro, recebendo 25% desde janeiro corrente, ou seja, menos de 90 cêntimos, facto que deveria fazer corar de vergonha os autores de tão execrável interpretação!

O STAL reafirma que os trabalhadores que estão numa posição intermédia, que tem de ser considerada virtual em face da formatação real da TRU por via das actualizações do salário mínimo, têm o direito de progredir, no mínimo, para a 4.ª posição, € 635,07, e exige que o governo assuma com clareza esta posição.