Exigir mais salário, recuperação das carreiras, dignificação das profissões e combater a precariedade

180222 MaisSalario QuinzenaLuta Selo 72dpiQUINZENA DE LUTA ENCERRA NO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

O STAL e STML realizam amanhã, 23, uma Tribuna Pública de activistas sindicais, entre as 10h30 e as 13h, junto ao Ministério das Finanças e que contará com a presença do Secretário-Geral da CGTP-IN, Arménio Carlos.

Esta tribuna encerra a quinzena de luta «É tempo de resolver problemas – Vamos à luta!», e contará com activistas sindicais do STAL e do STML.

 

Combater a precariedade

Três meses passados desde a publicação da lei 112/2017, Lei que prevê a regularização extraordinária dos vínculos precários, mas que deixa na mão dos autarcas a decisão sobre quem presta um serviço de carácter permanente, sem garantir o direito do exercício do contraditório; Lei que abriu o caminho à resolução do problema mas que também permite que milhares de trabalhadores, a cumprir funções permanentes há vários anos, veja negado o direito a qualquer vínculo estável, e que outros passados 10, 15 anos de prestação de serviço público e permanente, estejam agora a ser despedidos sem quaisquer direitos.

O STAL procurará garantir o apoio a estes trabalhadores, mesmo que a única via seja a judicial, mas esta não pode ser a solução para os Trabalhadores com vínculos precários!
A solução para este problema passa pela luta e intervenção nos locais de trabalho, pelo direito ao trabalho com direitos!

 

É tempo de resolver problemas, vamos à luta!

A quinzena de luta que amanhã encerra, percorreu todos os distritos do continente e regiões autónomas. Foram dezenas de iniciativas e milhares de trabalhadores e população contactados, que acolheram positivamente as reivindicações dos trabalhadores das autarquias, reafirmando a sua actualidade e justeza.

O sindicato saúda a solidariedade demonstrada pela população, ao tomarem conhecimento dos problemas a que os trabalhadores da administração local estão sujeitos, nomeadamente, baixos salários, más condições de trabalho, a desvalorização de profissões, a destruição de carreiras profissionais e a generalização de trabalhadores com vínculos precários.

A luta continuará pelo aumento dos salários, pela recuperação das carreiras e profissões, pela erradicação da precariedade, criação dos suplementos de insalubridade penosidade e risco e de disponibilidade, pagamento das indemnizações por acidentes trabalho e doenças profissionais, reposição das compensações pelo trabalho extraordinário, do direito a 25 dias de férias e aumento do subsídio de refeição.