Trabalhadores de Coimbra em unidade e luta

GREVE DE 4 DIAS TERMINA COM UM GRANDE PLENÁRIO À PORTA DA CÂMARA

Concluiu-se hoje o 4.º dia de greve dos trabalhadores da Higiene Urbana de Coimbra, com uma concentração e desfile até à Câmara Municipal. A acção contou com as intervenções do coordenador regional do STAL, Anibal Martins e com o presidente do sindicato, Francisco Braz.

Foi exigido o agendamento de uma reunião com o presidente do município (e simultaneamente presidente da ANMP), Manuel Machado, mas a entrada da delegação de 5 dirigentes foi barrada pela Polícia Municipal, por ordem expressa do autarca.

Recordamos que entre 30 de Maio e 2 de Junho, a adesão foi de 100% em todos os dias, não tendo laborado qualquer trabalhador nem saído nenhuma viatura de recolha de lixo.

A autarquia, violando grosseiramente a lei da greve, contratou uma empresa privada para a recolha apenas nalgumas das principais artérias da cidade, o que não impediu que o lixo se tivesse acumulado na maioria das zonas da cidade. Face a este comportamento da autarquia, o STAL irá remeter queixa ao Ministério Público.

Entretanto, a autarquia continua a protelar o pagamento de perto de meio milhão de euros, valor que foi condenada a pagar pelo Tribunal Administrativo de Coimbra aos trabalhadores da recolha do lixo, por trabalho extrordinário prestado e não pago, desde 2006.

Também as paupérrimas condições de trabalho destes profissionais, bem como a recusa em discutir com o STAL as melhores soluções para estes e outros problemas, foram razões fortes, para uma adesão total ao longo dos 4 dias de greve.

Os trabalhadores reafirmaram assim a sua determinação em verem resolvidos, de uma vez por todas, problemas que continuam a aguardar resposta do executivo municipal. A unidade e firmeza revelada por todos os trabalhadores, continuará a ser indispensável para garantir os direitos de quem trabalha no município de Coimbra.