Adesão total à greve parou hoje a Amarsul

A greve na Amarsul, convocada pelo SITE Sul e pelo STAL, começou às zero horas de hoje com uma adesão de cem por cento, provocando a paragem dos dois eco-parques, na Moita e no Seixal. No segundo turno, a adesão foi praticamente total, de 95 por cento. A empresa está totalmente parada!

No início da luta, na central de tratamento, na Moita, os trabalhadores que constituíram o piquete de greve concentraram-se junto ao portão principal e com eles estiveram, entre outros dirigentes sindicais, o secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos.

Esta greve, tal como a dos trabalhadores da Valorsul que se realizou no passado dia 25, tem por objectivo demover a administração da Mota-Engil - a quem foi alienada uma posição accionista que lhe permite manter o domínio na EGF e, por esta via, nos sistemas multimunicipais de recolha, tratamento e valorização de resíduos sólidos - da sua posição de intransigência de desrespeito dos direitos e recusa de actualização salarial.

Os trabalhadores e os sindicatos da CGTP-IN apontaram ainda, como motivo para fazer greve, o facto de a administração da Mota-Engil ter imposto a distribuição de dividendos pelos accionistas, mas querer congelar os salários de quem contribuiu de forma decisiva para a obtenção dos referidos lucros.