11 de Março - um ano decorrido desde a pandemia

epsu a6753Em 11 de Março de 2020, a Organização Mundial da Saúde declarou a propagação do vírus Sars-COV-2 e a COVID-19 como uma pandemia. Há um ano e em alguns países mais, os trabalhadores da saúde e de prestação de cuidados estão sob enorme pressão e todos os funcionários do serviço público estão na linha da frente da pandemia. O impacto dos bloqueios parciais ou totais em nossas economias e sociedades tem sido enorme e, em particular, para as mulheres, jovens e jovens trabalhadores e os mais vulneráveis. A vacinação está agora implementada, mas de uma forma que sublinha as desigualdades do nosso mundo. É necessário que as vacinas estejam disponíveis para todos. E que os sindicatos se envolvam nos planos de recuperação que contribuem para a concretização de um futuro mais socialmente justo e ambientalmente sustentável.

Para relembrar a data e assinalar o papel dos trabalhadores dos serviços públicos, a Presidente da FSESP/EPSU, Mette Nord, e o Secretário Geral, Jan Willem, assinam um artigo de opinião que divulgamos e se encontra disponível aqui 11 March – One year since the pandemic | EPSU

A pandemia de Covid-19 após um ano: a necessidade de revalorizar os nossos serviços públicos

Faz hoje um ano que a Organização Mundial de Saúde declarou a pandemia mundial de Covid-19. No ano passado, as forças e as fraquezas das nossas sociedades aumentaram.

Na Europa, ficaram expostas a fragilidade dos nossos sistemas de saúde pública e a total falta de capacidade para responder a tal choque. A tragédia é que não é surpreendente. Os sindicatos dos serviços públicos da Europa têm protestado contra a falta de pessoal, subfinanciamento e recursos inadequados muito antes do surgimento da pandemia. Não há dúvida de que os sistemas de saúde e lares de idosos ficaram completamente sobrecarregados quando a primeira onda chegou.

Este é um reflexo infeliz das políticas neoliberais, e foi necessário um ponto de inflexão, como é uma pandemia global, para reconhecer a necessidade de financiar adequadamente os serviços públicos e os trabalhadores que os fornecem. Mas, o ano que passou, tornou as desvantagens da privatização e dos cortes orçamentários uma realidade inevitável, e a necessidade de revalorizar o sector público é agora amplamente assimilada. Não podemos regressar às políticas de austeridade antes da pandemia, devemos fazer uma reconstrução melhor. Esta é a mensagem de milhões de trabalhadores do serviço público em toda a Europa nesta jornada épica.

A prioridade imediata é fortalecer os sistemas públicos de saúde e de prestação de cuidados, o que requer financiamento público e o fim das políticas fiscais que favorecem as empresas e os ricos. Os governos devem agir ao nível nacional e europeu. Estamos em dívida com os nossos trabalhadores da saúde e de prestação de cuidados, muitos dos quais ainda hoje são tratados a stress pós-traumático.

Assim como houve mais de 100 greves nos sectores de saúde e prestação de cuidados pouco antes da eclosão da pandemia na Europa, os sindicatos de saúde e prestação de cuidados continuarão a exigir aumentos salariais, melhores condições de trabalho, aumento de pessoal e serviços de apoio.

Embora a saúde e a prestação de cuidados sejam uma preocupação prioritária, outros serviços públicos também estiveram na linha da frente da crise. Desde os sectores de resíduos, água e energia, até à segurança social e serviços de emprego, os trabalhadores dos serviços públicos foram cruciais para o funcionamento contínuo da sociedade e na gestão das consequências socioeconómicas resultantes das medidas de confinamento. O seu papel será mais crucial conforme recuperemos da crise económica. É necessário aumentar o investimento a fim de garantir a disponibilidade e a qualidade dos serviços, e assegurar o acesso ao bem-estar, à habitação, à água, à energia e à educação, assim como para alocar financiamento às cidades e municípios.

O sector público tem também uma função única a desempenhar na reconstrução de sociedades que sejam mais resilientes, desde a economia circular aos sistemas de transportes ecológicos ou infraestruturas públicas sustentáveis. Os fundos de recuperação e resiliência nacionais (e da UE), deveriam utilizar-se para este fim, em vez de ceder de novo aos cantos de sereia da privatização e das parcerias público privadas.

A crise sanitária sem precedentes demonstra que a União Europeia deve considerar a reapropriação de determinados sectores que garantem a segurança dos cidadãos europeus, como são as farmacêuticas ou a produção de equipamentos de protecção individual (EPI). Deveria considerar de novo também a fixação de competências europeias em matéria de saúde, mais além das respostas dos próprios Estados-membros a fim de responder às pandemias, tanto na União Europeia, como em países terceiros. As deficiências reveladas durante esta crise revelam que grande parte do fundo de recuperação da União Europeia deve consignar-se ao investimento nos serviços públicos, os quais representam os valores universais que cimentam a União Europeia.

Como líderes sindicais dos serviços públicos europeus, lutaremos junto com muitas outras organizações pela igualdade no mercado de trabalho, pela melhoria das condições de trabalho e por mais investimento público. No seio de uma mobilização crescente, defendemos a justiça fiscal a fim de garantir que as empresas paguem a sua parte proporcional e justa dos impostos e se reverta a crescente desigualdade. É fundamental que na recuperação daquela que é a pior crise económica de todos os tempos, seja dada prioridade aos trabalhadores, comunidades e ao nosso planeta sobre os lucros de uns poucos.

 

Mette Nord 
Presidente da FSESP

Jan Willem Goudriaan
Secretário Geral da FSESP