Concentração junto à CM da Póvoa de Varzim

TRABALHADORES EM LUTA PELAS 35 HORAS

{avatargalleria src=picasa search=useralbum string=$118015613481792339204/20DeAbril2015ConcentracaoJuntoDaCMPovoaVarzim$ responsive width=100% imgcrop=false cr=false swipe=false jquery=latest fullscreen=false info=true showcounter=false height=350px count=100 quality=original theme=september/}

Por iniciativa da Direcção Regional do STAL - Porto, que apresentou um Aviso Prévio de Greve de 2 horas, os trabalhadores da Câmara da Póvoa de Varzim concentraram-se ontem, dia 20 de Abril, frente aos Paços do Concelho.

Ler mais...

Garantir direitos na maternidade

maternidade 018d5DIRECTIVA EUROPEIA NÃO PODE SER ABANDONADA

A Comissão Europeia prepara-se para retirar de discussão uma Directiva sobre Licença de Maternidade que, para além de outras matérias, garante no mínimo o pagamento integral nas 18 semanas da Licença de Maternidade.

No sentido de garantir que não cai por terra a discussão desta Directiva, que se iniciou em 2010, o STAL enviou carta a diversas entidades (Presidência da República, Assembleia da República, Governo, e ANMP) para que «tomem posição e exortem a uma solução condigna em defesa das mulheres e de uma sociedade mais justa.»

Ler mais...

Lutamos pelas 35 horas para todos

150409 Com BancoAdaptabilidade1 SEM BANCO DE HORAS E ADAPTABILIDADE.
Publicação dos ACEP já!

A fixação do horário de trabalho e a redução da jornada laboral estiveram sempre no centro da luta contínua entre o capital e o trabalho. Tal como o aumento dos salários e a conquista de direitos e regalias, a fixação do horário e a redução do dia de trabalho sempre resultaram da permanente pressão dos trabalhadores, que legitimamente anseiam por melhores condições de vida e de trabalho. E enquanto houver explorados e exploradores esta luta irá continuar, exigindo que os trabalhadores se organizem e mobilizem em unidade.

Pelo direito ao horário de trabalho

Apesar de ser hoje um direito internacionalmente reconhecido, há muito consagrado nas legislações nacionais e convenções da Organização Mundial do Trabalho, a verdade é que,  o horário de trabalho, continua a ser objecto da mais renhida luta entre trabalhadores e empregadores, sejam eles públicos ou privados.

Isto porque a abolição do horário fixo (prosaicamente apelidada de flexibilidade de horários) permite ao capital obter mais lucros, «melhores resultados», «reduzir custos», como diz o patronato na sua linguagem para dissimular o aumento da exploração.

É para servir os interesses do grande capital que o Governo PSD/CDS-PP impôs o aumento da semana de trabalho na Administração Pública das 35 para as 40 horas, procurando abrir assim caminho ao aumento do horário no sector privado.

Ler mais...

Concentrar para privatizar

STAL DENUNCIA OBJECTIVOS DAS FUSÕES NO SECTOR DAS ÁGUAS

A fusão dos sistemas multimunicipais de água e saneamento, aprovada ontem, dia 9, em Conselho de Ministros, é mais um passo para a entrega deste sector estratégico vital aos interesses económicos privados.

O STAL salienta que, ao contrário do que é propalado pelo Governo, quando fala num «fortíssimo emagrecimento» das Águas de Portugal (AdP), esta operação vai precisamente engordar o grupo AdP, através mega-empresas capazes de gerar superlucros.

Ler mais...

Subcategorias