O início deste ano foi marcado por duas poderosas greves nacionais da Administração Pública, levadas a cabo em 25 de Janeiro e 11 de Fevereiro.

Embora separadas por curto espaço de tempo, estas greves tiveram uma adesão na ordem dos 90 por cento, demonstrando a vontade clara dos trabalhadores em contrariar a tentativa do Governo de reduzir os seus salários reais.

O Governo propõe «aumentos» de 2,5 por cento, ao mesmo tempo que delibera aumentar em 2 por cento os descontos dos trabalhadores para a Caixa Geral de Aposentações, o que pressupõe a inexistência de verdadeiro aumento salarial.

Em 21 de Janeiro, o STAL participa na Conferência sobre os Direitos dos Trabalhadores, promovida pela CGTP-IN.

Na Praça do Comércio, em Lisboa, o STAL promove nos dias 11 e 12 de Março uma acção de protesto contra os 2,5 por cento de aumento, contra o aumento dos descontos para a CGA (2 por cento) e contra a Lei dos despedimentos. Esta acção, em que participaram cerca de 100 dirigentes e delegados sindicais, denominou-se «48 horas de jejum» e foi cumprida em dois turnos de 24 horas cada.

No final do segundo turno, os dirigentes falaram à população explicando o motivo da luta e fizeram a distribuição de um comunicado, tendo de seguida pedido uma audiência ao Ministro das Finanças, que a recusou.

O Conselho Geral reúne no dia 25 de Março e analisa a situação social e política e aponta linhas de actuação para o futuro.

Em 15 de Abril, mais de mil trabalhadores da Administração Local concentram-se na Praça dos Restauradores, em Lisboa, de onde seguem em desfile para a Praça do Comércio e se manifestam junto à Secretaria de Estado do Orçamento contra os salários impostos pelo Governo.

O Sindicato faz-se representar no Seminário sobre Saúde e Segurança Social, promovido pela CGTP-IN.

Organizado pelo STAL, realiza-se na região autónoma da Madeira, em 29 de Abril, um Seminário Internacional subordinado ao tema «A Comunidade, as Regiões e os Direitos dos Trabalhadores», cuja ordem de trabalhos consagra um espaço considerável à problemática da igualdade de oportunidades entre homens e mulheres na Administração Local e Regional na Europa.

A Associação Nacional de Municípios Portugueses aprova por unanimidade um documento em que se manifesta contrária à aplicação da chamada Lei dos Disponíveis (D.L. n.º 247/92) às Autarquias Locais.

Em 8 e 9 de Maio, o STAL está presente nos trabalhos do «Congresso Portugal, que Futuro?»

Em Assembleia Geral realizada a 11 de Maio, os associados do STAL decidiram por esmagadora maioria (85 por cento dos votos expressos numa das votações mais participada de sempre) a filiação do STAL na CGTP-IN.

"Esta filiação, considerando a dimensão, a vitalidade, representatividade e a implantação territorial geral do STAL, constituiu o maior reforço orgânico da CGTP-IN pela via da filiação, realizado depois do Congresso de todos os sindicatos em 1977".

(Extraído do Relatório de Actividades da CGTP-IN, aprovado no 8º Congresso da central)

Em 7 de Junho, os Bombeiros Profissionais e Sapadores levam a efeito uma concentração frente ao Ministério das Finanças, exigindo a satisfação das sua reivindicações.

A 6 e 7 de Junho, o STAL promove na Praça da Figueira, em Lisboa, uma exposição sobre os trabalhadores das autarquias, chamando a atenção para a sua importância na satisfação das necessidades das populações e denunciando os ataques consecutivos do Governo PSD contra os seus direitos.

Em 19 de Agosto, é lançado pela Câmara Municipal de Mafra um concurso para privatização dos serviços de fornecimento de água e saneamento no concelho de Mafra. Estava dado o primeiro passo na ofensiva «privatizadora» que se adivinhava latente, sem que aos trabalhadores da Autarquia e à própria população fosse dada qualquer informação prévia. O STAL imediatamente reage e promove acções no sentido de salvaguardar os direitos dos trabalhadores, aconselhando-os a que não assinem qualquer acordo sem primeiro contactar o Sindicato.

De 26 a 28 de Setembro, decorre em Budapeste a 2ª Conferência Europeia do Poder Local e Regional em cujos trabalhos, envolvendo organizações de 28 países, o STAL esteve representado, tendo produzido uma intervenção subordinada ao tema «Igualdade de Oportunidades na Administração Local e Regional», tema central do recente Seminário promovido pelo STAL.

O STAL faz entrega no Supremo Tribunal Administrativo, em 12 de Outubro, de um pedido de declaração de ilegalidade de várias normas da Portaria n.º 79-A/94, diploma referente aos salários da Administração Pública.

Em 13 de Outubro realizam-se, em Lisboa e no Porto, duas grandes concentrações de trabalhadores da Administração Pública. Em Lisboa, a concentração ocorreu na Praça da Figueira, tendo depois os trabalhadores desfilado até à Secretaria de Estado do Orçamento, na Praça do Comércio. No Porto, convocados pelo STAL, os trabalhadores concentraram-se na Praça da Batalha.

As reivindicações foram comuns: revisão salarial intercalar e negociações sérias com os sindicatos do sector e não em sede da chamada «concertação social».

Em 28 de Outubro, reúne o Plenário Nacional do Staljovem, sob o lema: "O teu querer tem força!", realizado em Évora, tendo participado 39 delegados, representantes de 18 regiões sindicais. Neste plenário fez-se o balanço da actividade do Staljovem e lançou-se uma campanha de sindicalização, tendo-se aprovado ainda o Caderno Reivindicativo e o Plano de Actividades para o próximo ano.

É lançada pela Direcção Nacional uma campanha de sindicalização a decorrer entre Outubro deste ano e Dezembro de 1995, com o objectivo de se conseguirem mais cinco mil novos associados. Esta campanha insere-se no âmbito das comemorações do 20º Aniversário do STAL.

Na manhã de 24 de Novembro, dirigentes e activistas sindicais do STAL concentram-se frente ao Conselho de Ministros exigindo a abertura de negociações. Na tarde do mesmo dia, os dirigentes e activistas sindicais assistem à discussão do Orçamento de Estado na Assembleia da República, tendo lançado, das galerias para os deputados, tarjetas contendo as exigências dos trabalhadores da Administração Local.

O Conselho Geral reúne a 25 de Novembro e aprova plano de luta contra a prepotência do Governo de Cavaco Silva.

Promovida pelo STAL, realiza-se a 9 de Dezembro mais uma greve nacional do sector.

A 14 de Dezembro, realizam-se as eleições para os órgãos nacionais e regionais do STAL.

Em 16 de Dezembro, realiza-se em Lisboa uma grande concentração/manifestação com milhares de trabalhadores vindos de todos os pontos do país.

Pin It
STAL em luta pela valorização das...
Seg., maio 27, 2024
7 de Junho | Trabalhadores da Resinorte em...
Seg., maio 27, 2024
Grandiosa jornada de luta dos trabalhadores...
Qui., maio 23, 2024
«Jornada Nacional De Luta» Reúne milhares...
Sex., maio 17, 2024
Trabalhadores da TRATOLIXO em greve no dia...
Qui., maio 16, 2024
O governo PS “sacou” 100 milhões de euros....
Sex., maio 10, 2024
Paz | Manifestação em Lisboa | 11 de Maio |...
Seg., maio 06, 2024
1.º Maio | Por todo o país, muitos milhares...
Qui., maio 02, 2024
Município do Crato mantém cobertura de...
Ter., Abr. 30, 2024
17 Maio | Jornada Nacional dos...
Ter., Abr. 30, 2024
A luta continua no 1.º de Maio
Seg., Abr. 29, 2024
STAL denuncia riscos para a segurança e...
Sex., Abr. 26, 2024
Greve dos trabalhadores da RESINORTE com...
Sex., Abr. 26, 2024
O País saíu à rua em defesa dos valores de...
Sex., Abr. 26, 2024
25 de Abril sempre!
Qua., Abr. 24, 2024
Greves na RESINORTE (26 de Abril) e na...
Ter., Abr. 23, 2024