Após intensa actividade e luta, conduzida pelo STAL, que levou o problema ao Presidente da República, Primeiro Ministro, Ministro da Administração Interna, Provedor de Justiça e Assembleia da República, onde reuniu com todos os grupos parlamentares, foi conseguida uma grande vitória para os trabalhadores das Assembleias Distritais com a alteração positiva do Decreto-Lei n.º 288/85. As alterações traduziram-se fundamentalmente pela garantia da segurança do emprego, do pagamento dos vencimentos e dos demais abonos através de verbas do Orçamento do Estado e do direito à carreira.

Em 22 de Janeiro, dirigentes e activistas sindicais do STAL concentram-se frente ao Ministério da Administração Interna, exigindo a reposição do poder de compra dos trabalhadores, a negociação do projecto de carreiras do STAL e a negociação da PRC/86. Pelos mesmos objectivos e no mesmo local, realiza-se uma grande concentração em 2 de Abril, seguida de manifestação para a Assembleia da República. Foi após estas acções que o Governo se sentou, finalmente, à mesa das negociações.

A 5 de Fevereiro, grande manifestação da Frente Comum de Sindicatos, em Lisboa.

Em Março, realiza-se o Conselho Nacional Plenário na Foz do Arelho, região de Leiria, onde foi aprovada por aclamação uma proposta conducente à realização de uma grande campanha nacional de sensibilização e esclarecimento da opinião pública e a intensificação e agudização das formas de luta, tendo como objectivos alcançar a segurança e estabilidade do emprego, a negociação efectiva do Projecto de Alterações ao sistema de carreiras, entregue pelo STAL, e a negociação de todas as matérias que interfiram com os direitos e interesses dos trabalhadores do sector.

Realiza-se distribuição de comunicados à população, plenários nos locais de trabalho e nas horas de serviço, conferências de imprensa e vigílias. Estas acções culminam com uma greve sectorial, em 22 de Maio, nos distritos de Beja, Évora, Santarém e Setúbal e nos transportes colectivos do Barreiro, Coimbra, Aveiro, Braga e Portalegre. Finalmente, no dia 28 de Maio, cumprese um dia de greve nacional.

Em 23 de Outubro, mais uma concentração frente à residência oficial do 1º Ministro e, a 18 de Novembro, manifestação em Lisboa que leva o Governo a subir a sua proposta de aumento salarial para 1987, de 9,5 por cento para 11,5 por cento.

Em 6 de Novembro realizam-se as eleições para os corpos gerentes nacionais do STAL, que vieram a ser impugnadas por alegadas irregularidades processuais que o Tribunal através de decisão não veio validar.

 

Pin It
Trabalhadores da CM Espinho exigem melhores...
Sex., Jul. 19, 2024
Integração de trabalhadores com vínculos...
Qua., Jul. 10, 2024
Tratolixo quer impôr “lei da rolha” e negar...
Sex., Jul. 05, 2024
Greve nos SMTCB com adesão total!
Qua., Jul. 03, 2024
Frente Comum reafirma exigências dos...
Ter., Jul. 02, 2024
STAL participou no 11.º Congresso da FSESP
Sex., Jun. 28, 2024
Milhares de trabalhadores protestaram em...
Ter., Jun. 25, 2024
Trabalhadores exigem avaliação justa,...
Seg., Jun. 24, 2024
STAL denuncia privatização de serviços...
Seg., Jun. 24, 2024
Intervenção do STAL obriga a efectivar...
Ter., Jun. 11, 2024
Greve | Elevada adesão encerra vários...
Sex., Jun. 07, 2024
AdN | Trabalhadores rejeitam decisão da ACT
Sex., Jun. 07, 2024
STAL exige urgente valorização dos...
Qui., Jun. 06, 2024
Trabalhadores da Resinorte em luta por...
Qui., Jun. 06, 2024
STAL em luta pela valorização das...
Seg., maio 27, 2024
7 de Junho | Trabalhadores da Resinorte em...
Seg., maio 27, 2024