STAL REÚNE HOJE COM MINISTRO DO AMBIENTE

egfUma delegação do STAL vai ser recebida pelo ministro do Ambiente, hoje , 4, pelas 15 horas, a quem entregará uma carta manifestando a sua disposição de prosseguir a luta para manter a EGF na esfera pública.

A audiência foi marcada na sequência da concentração de dia 25 frente ao Ministério do Ambiente, que se inseriu na jornada de acções do STAL por todo o País, em defesa dos serviços públicos de resíduos e contra a privatização da EGF.

Na ocasião, uma delegação sindical fez a entrega da resolução sindical e solicitou uma audiência com o ministro Jorge Moreira da Silva.

 

No encontro de hoje, o STAL reafirmará as suas posições e manifestará ao ministro a sua determinação de envidar todos os esforços para impedir a venda de uma empresa estratégica, que hoje proporciona significativos lucros ao Estado.

Na carta dirigida ao ministro do Ambiente, o Sindicato salienta que «não há nenhum fundamento económico, tecnológico, ambiental» que justifique a entrega da EGF aos privados.

Por outro lado lembra que este processo é contestado pela generalidade das autarquias, as quais o Governo pretende submeter aos interesses privados.

Isto é patente no decreto da privatização (DL n.º 45/2014 de 20 de Março), cujo enunciado impede os municípios de adquirir a maioria do capital social das empresas multimunicipais, ou mesmo de poderem intervir no processo de alienação, apesar das posições accionistas de que são detentores.

Este constrangimento vem somar-se à transferência para ERSAR (Lei n.º 10/2014) do poder de definir os preços e tarifas da água e saneamento e de «os impor aos municípios que terão de os aplicar, sob ameaça de pesadas multas, violando uma vez mais de forma grosseira a autonomia local e penalizando as populações», salienta-se na carta.

O STAL refuta ainda o argumento do Governo de que as receitas da privatização permitirão amortizar a dívida, frisando que, pelo contrário, a venda de empresas lucrativas descapitaliza o Estado e contribui para agravar défices futuros.

Por último, o STAL alerta para os perigos da entrega a privados de um sector que funciona na prática como um monopólio natural, designadamente ao nível das tarifas, que tenderão a ser agravadas sobrecarregando as populações; das condições de trabalho, com a intensificação da exploração e liquidação de direitos laborais; e da qualidade do serviço e riscos ambientais, sendo expectável a sua degradação, segundo a lógica privada da maximização dos lucros.

Por tudo isto, o STAL reafirma que tudo fará para travar a privatização da EGF, em prol do interesse das populações e trabalhadores, luta que se enquadra da disposição constitucional que consagra o direito a viver num ambiente sadio e ecologicamente equilibrado.

Ver carta entregue ao Ministro
Pin It
STAL em luta pela valorização das...
Seg., maio 27, 2024
7 de Junho | Trabalhadores da Resinorte em...
Seg., maio 27, 2024
Grandiosa jornada de luta dos trabalhadores...
Qui., maio 23, 2024
«Jornada Nacional De Luta» Reúne milhares...
Sex., maio 17, 2024
Trabalhadores da TRATOLIXO em greve no dia...
Qui., maio 16, 2024
O governo PS “sacou” 100 milhões de euros....
Sex., maio 10, 2024
Paz | Manifestação em Lisboa | 11 de Maio |...
Seg., maio 06, 2024
1.º Maio | Por todo o país, muitos milhares...
Qui., maio 02, 2024
Município do Crato mantém cobertura de...
Ter., Abr. 30, 2024
17 Maio | Jornada Nacional dos...
Ter., Abr. 30, 2024
A luta continua no 1.º de Maio
Seg., Abr. 29, 2024
STAL denuncia riscos para a segurança e...
Sex., Abr. 26, 2024
Greve dos trabalhadores da RESINORTE com...
Sex., Abr. 26, 2024
O País saíu à rua em defesa dos valores de...
Sex., Abr. 26, 2024
25 de Abril sempre!
Qua., Abr. 24, 2024
Greves na RESINORTE (26 de Abril) e na...
Ter., Abr. 23, 2024