STAL afirma solidariedade com o povo Brasileiro

bandeira brasil de581EM DEFESA DA DEMOCRACIA E DOS DIREITOS SOCIAIS

No Brasil assiste-se a um processo extremamente agressivo, de grande complexidade e com objectivos bem definidos de derrubar a democracia política e social neste país, como objectivo indispensável aos interesses do grande capital mundial e do imperialismo americano. Pondo dessa forma um ponto final numa experiência que, não isenta de erros e caminhos às vezes sinuosos, desenvolveu de facto políticas que tiraram o povo brasileiro da miséria e da fome, garantiu o reconhecimento aos trabalhadores, apoiou a classe média, desenvolveu a participação e a democracia, o relacionamento com a luta dos povos da América Latina e com os países não-alinhados.

Desenvolveu essas políticas num país subdesenvolvido, onde a corrupção, a prepotência e a exploração eram a regra. Num país que não reconhecia a liberdade nem o direito dos brasileiros a uma vida digna, promovia a exploração e levava à prisão os trabalhadores que lutavam, os sindicalistas e todos os que resistiam.

Hoje, assiste-se à maior campanha interna e inclusive da imprensa mundial, desenvolvida pelo imperialismo e promovida por todos aqueles que sustentaram o regime torcionário de Fernando Henrique Cardoso e o qual nunca deixou de tentar derrubar as políticas desenvolvidas por Lula da Silva e Dilma Rousseff.

É verdade que o processo é complexo, que todos os dias somos bombardeados por notícias, quantas vezes falsas e quase sempre distorcidas ou parciais. Procuram demitir o governo e se possível, pôr na prisão os responsáveis pela alteração da distribuição da riqueza no Brasil. São exactamente os mesmos que há dezenas de anos atrás, levaram Lula da Silva à prisão por lutar pela liberdade e pelos direitos dos trabalhadores, que hoje com diferentes acusações o perseguem.

E nós no nosso país conhecemos bem os caminhos e as práticas da direita portuguesa, dos interesses económicos e dos seus governos, bem espelhados no ataque aos trabalhadores e à Administração Local que, à revelia da realidade efectiva, passaram a ser responsabilizados pelo despesismo, má gestão e até pela corrupção, com acusações e mentiras, sistemáticas de existirem trabalhadores a mais, de serem maus profissionais e de serem responsáveis pela corrupção.

Não ignoramos a existência de problemas, mas afirmamos, como sempre fizemos, que não há corrupção sem corruptores. Que os corruptores são, em primeiro lugar, os protagonistas do imperialismo, os donos do grande capital, da Banca, os grandes sectores económicos e são estes que atiram a pedra e procuram esconder a mão e querem fazer negócios chorudos com a reposição dos vidros que partiram.

Em Portugal, os trabalhadores e a Administração Local foram os que durante quarenta anos contribuíram para extraordinárias mudanças sociais no país e aqueles que mais e melhor resistiram aos últimos quatro anos de feroz ataque do capital e da direita mais reaccionária.

No Brasil e no mundo, cabe aos democratas, aos sindicalistas, aos trabalhadores e ao povo resistir e lutar pelos direitos, pela liberdade e pela justiça social.

Assim, num processo sem dúvida difícil e complexo, cabe-nos reafirmar o apoio e solidariedade aos trabalhadores brasileiros e suas organizações de classe, ao povo brasileiro, aos democratas na sua luta em defesa da justiça, dos direitos e da liberdade.