Trabalhadores da Companhia de Sapadores Bombeiros de Viana do Castelo denunciam assédio laboral

viana 0d83bO STAL e os trabalhadores da Companhia de Sapadores Bombeiros de Viana do Castelo promoveram nesta terça-feira (dia 14), no centro da cidade, uma grande acção de protesto e de denúncia pública das atitudes discriminatórias, persecutórias e prepotentes de que estes trabalhadores são vítimas, há vários anos, por parte do comandante António Cruz.

A iniciativa contou com a presença de muitos trabalhadores, activistas e dirigentes do STAL, bem como da secretária-geral da CGTP-IN, Isabel Camarinha, que manifestou a solidariedade da Intersindical para com esta luta, seguindo-se depois um desfile pelo centro da cidade, entre a Praça da República e a Câmara Municipal de Viana do Castelo, cujo presidente há muito que está ao corrente do assédio laboral nos bombeiros sapadores, mas que, no entanto, continua, “impávido e sereno”, a assistir ao avolumar das queixas e de relatos das situações anómalas e até feridas de ilegalidade naquele serviço municipal.

Perante a passividade da autarquia e o agravar da situação laboral, os trabalhadores aprovaram, em plenário, um documento com as suas principais exigências, nomeadamente, a imediata suspensão de funções do actual comandante.

Ver resolução

Ver fotos

STAL e trabalhadores da CM Leiria exigem reunião com o presidente

leiria d344eOs trabalhadores da Câmara Municipal de Leiria concentraram-se esta terça-feira (dia 14) em frente aos Paços do Concelho para exigirem uma reunião, com carácter de urgência, com o presidente do Município – que faz gala em ignorar os vários pedidos nesse sentido do STAL e dos trabalhadores – para discutir assuntos relacionados com os direitos dos trabalhadores, que urge resolver e, têm sido sistematicamente ignorados por esta administração camarária, designadamente a aplicação do Suplemento de Penosidade e Insalubridade, que a autarquia atribui a apenas 11 trabalhadores, excluindo muitos outros que, na opinião do STAL, exercem funções que deveriam também beneficiar do SPI; os muitos e antigos problemas que afectam os bombeiros sapadores, que se têm agravado nos últimos tempos; a acção judicial sobre a Opção Gestionária ganha pelos trabalhadores e pelo STAL, e que a autarquia continua a não cumprir, nomeadamente o pagamento a todos os signatários do processo.

Também o início da negociação do ACEP continua por agendar, apesar do compromisso do actual executivo municipal nesse sentido, e do STAL ter já entregue uma proposta.

Ler mais...

Privados novamente em processo de chantagem à ADSE, I.P.

ADSE aad75GOVERNO E CONSELHO DIRECTIVO EM SILÊNCIO SOBRE AS NOVAS TABELAS.

Entraram em vigor a 1 de Setembro as novas tabelas da ADSE, que incidem sobre o Regime Convencionado.

Aos beneficiários apenas foi fornecida informação genérica sobre as alterações às tabelas através de uma newsletter, ao final desse mesmo dia, tendo todo o processo de negociação das novas tabelas sido feito sem o devido esclarecimento aos beneficiários, isto é, a quem, com as suas contribuições assegura a existência da ADSE, I.P.

Ler mais...

Tribuna Pública em Portalegre para denunciar salários de miséria e incumprimentos no grupo EGF/Mota&Engil

Portalegre1 93177O STAL e a FIEQUIMETAL promoveram hoje (30 de Agosto) uma Tribuna Pública em Portalegre (na Praça da República) para dar a conhecer, de forma publica, os graves problemas que afectam os milhares de trabalhadores do grupo EGF/Mota&Engil. Os trabalhadores, dirigentes e activistas sindicais seguiram depois, em desfile, até à Praça do Município para entregar, na Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo e na Autoridade para as Condições de Trabalho, a resolução “Pelo Direito à Negociação Colectiva: Salários Dignos, Respeito Pelas Categorias, Subsídio de Risco”.

Esta acção de protesto – cujo um dos objectivos é refirmar a defesa dos direitos e das propostas reivindicativas apresentadas pelo Sindicato, que a empresa, de forma sistemática, tem procurado ignorar – insere-se no “Circuito Nacional de Denúncia”, iniciativa que está a decorrer por todo o País, nos locais de trabalho das várias empresas da EGF/Mota&Engil e nas localidades onde estas se situam.

Ver resolução

Ver fotos

Governo insiste na ilegalidade

cnos 86b03OPERADORES DE CENTRAL CNOS/CDOS

Em Março, o STAL denunciou o extenso rol de ilegalidades da proposta do Governo para o processo de transferência dos Operadores de Telecomunicações ao serviço dos vários Comandos Distritais de Operações de Socorro (CDOS) e do Comando Nacional de Operações de Socorro (CNOS) para a Administração Pública, apresentando um conjunto de propostas.

Passados cinco meses, a Sra. secretária de Estado da Administração Interna, decidiu finalmente responder, reencaminhando, para o efeito, uma informação da Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC) que se limita a repetir tudo aquilo que já fora dito antes, não respondendo a nenhuma das ilegalidades suscitadas nem fazendo caso de qualquer das propostas apresentadas pelo STAL.

Ver comunicado

Ler mais...

Tribuna Pública e desfile para denunciar salários de miséria e incumprimentos no grupo EGF/Mota&Engil

CircuitoPortalegre 81ed0CIRCUITO NACIONAL DE DENÚNCIA EM PORTALEGRE

O STAL e a FIEQUIMETAL promovem esta segunda-feira (30 de Agosto), às 10.00h, uma Tribuna Pública em Portalegre (na Praça da República) para dar a conhecer publicamente os graves problemas que afectam os milhares de trabalhadores do grupo EGF/Mota&Engil, seguindo-se um desfile até à Praça do Município para entregar – na Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo e na Autoridade para as Condições de Trabalho – a resolução “Pelo Direito à Negociação Colectiva: Salários Dignos, Respeito Pelas Categorias, Subsídio de Risco”.

Esta acção de protesto – cujo um dos objectivos é refirmar a defesa dos direitos e das propostas reivindicativas apresentadas pelo Sindicato, que a empresa, de forma sistemática, tem procurado ignorar – insere-se no “Circuito Nacional de Denúncia”, iniciativa que está a decorrer por todo o País, nos locais de trabalho das várias empresas da EGF/Mota&Engil e nas localidades onde estas se situam.

Através de tribunas públicas, plenários, concentrações e desfiles, centenas de trabalhadores, dirigentes e activistas sindicais têm dado o seu público descontentamento sobre os graves problemas laborais com que os milhares de trabalhadores se debatem nas empresas do referido grupo, cuja administração tem procurado fugir à discussão séria dos problemas, dos cadernos reivindicativos e da proposta de Acordo Colectivo de Trabalho (ACT) há muito apresentada pelo STAL, e com adesão da FIEQUIMETAL, numa clara estratégia de aprofundar a exploração do trabalho, pagando salários de miséria, precarizando os vínculos laborais, discriminando trabalhadores, desrespeitando e violando direitos. Em suma, dividir para reinar.

Ler mais...

A luta continua por melhores salários e condições de trabalho, e em defesa dos serviços públicos

Cartaz 46º Aniversário 2 ec5e9 STAL COMEMORA O 46.º ANIVERSÁRIO DA SUA FUNDAÇÃO

O STAL assinala esta terça-feira, dia 24, o 46.º aniversário da sua fundação, e reafirma a sua determinação em mobilizar e organizar a luta dos trabalhadores pela reposição e conquista de direitos, pelo aumento de salários, pela melhoria dos serviços públicos e reforço do Poder Local Democrático.

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e Regional, Empresas Públicas, Concessionárias e Afins foi fundado em 24 de Agosto de 1975, data em que se realizou no Porto a sua Assembleia Constituinte.
Em Maio de 1974, e na sequência da Revolução de Abril, foi criada a Organização Pró-Sindical da Administração Pública e Local, a qual, pouco mais de um ano depois, deu corpo ao STAL, o primeiro sindicato a constituir-se na Administração Pública.

Desde o início fortemente comprometido com a defesa dos interesses dos trabalhadores, em 24 de Abril de 1975 foi apresentado o primeiro caderno reivindicativo para o sector, reclamando direitos elementares até então inexistentes, como a previdência e assistência social, o direito a férias e respectivo subsídio, a semana de trabalho de cinco dias com um máximo de 40 horas e o direito ao subsídio de Natal.

Ver cartaz

Ler mais...

Governo aprova aumento de encargos para trabalhadores e aposentados

210707 AumentosADSE 47180 APESAR DA SAÚDE FINANCEIRA DA ADSE

No Conselho Geral e de Supervisão, representantes do Governo, da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da Associação de Aposentados, Pensionistas e Reformados (APRE) e da FESAP/UGT, viabilizaram o aumento dos encargos dos beneficiários. Esta decisão, com a participação de organizações que se dizem defensoras dos trabalhadores e pensionistas, é inadmissível, dada a saúde financeira da ADSE que é suportada pela contribuição dos trabalhadores e aposentados.

Era possível, necessária e completamente justificável uma revisão das Tabelas do Regime Convencionado que, ao invés, diminuísse os encargos dos trabalhadores e aposentados beneficiários da ADSE, nomeadamente em áreas de grande utilização como são as consultas, os meios complementares de diagnóstico, a medicina dentária, incluindo nesta, a comparticipação em mais actos clínicos e o aumento da comparticipação em óculos (armações e lentes).

Essa não foi a opção do Governo, nem da ANMP, da ANAFRE, da APRE e da FESAP/UGT que aceitaram e votaram favoravelmente estes aumentos sem atenderem ao facto de não estar em causa a sustentabilidade da ADSE.

Ver comunicado

Ler mais...

Trabalhadores da Resinorte reafirmam a defesa dos seus direitos e das propostas reivindicativas em Tribuna Pública

IMG 20210802 WA0006 web f1d81CIRCUITO NACIONAL DE DENÚNCIA EM CELORICO DE BASTO

O STAL e a FIEQUIMETAL promoveram esta segunda-feira (2 de Agosto) um plenário de trabalhadores da Resinorte, no Centro Integrado de Tratamento e Valorização dos Resíduos Sólidos Urbanos em Celorico de Basto, em cujo centro urbano os trabalhadores realizaram uma Tribuna Pública e uma acção de contacto com a população para dar a conhecer publicamente os muitos problemas que afectam os trabalhadores do grupo EGF/Mota&Engil, e reafirmar a defesa dos direitos e das propostas reivindicativas apresentadas pelas duas estruturas sindicais, e que a empresa, de forma sistemática, tem procurado ignorar.

Ver fotos

Ler mais...

“Águas de Gondomar” impôs ilegalmente o aumento do horário de trabalho e a redução do período de férias

DSC07864 40a86TRIBUNAL DÁ RAZÃO AO STAL

O Supremo Tribunal Administrativo condenou a “Águas de Gondomar, S.A.” a pagar aos trabalhadores cedidos pela Câmara Municipal de Gondomar, a partir de 1 de Agosto de 2012, data em que ocorreu o aumento do horário de trabalho das 35 para as 40 horas, a retribuição referente a horas extraordinárias prestadas para além das 35 horas semanais, a liquidar em execução de sentença, incluindo os juros de mora à taxa legal sobre todas as quantias e a conceder o período de férias não gozadas. 

O Supremo Tribunal Administrativo, em acórdão de 13 de Maio de 2021, confirmou a ilegalidade do despacho proferido pela administração da empresa “Águas de Gondomar S.A.”, de 28 de Junho de 2012.

Ler mais...

ANMP comunga da interpretação do Sindicato sobre o Suplemento de Penosidade e Insalubridade

IMG 5545 Reunião 20 Julho 2021 30668STAL REÚNE COM A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE MUNICÍPIOS PORTUGUESES

A seu pedido, a Direcção Nacional do STAL, reuniu-se dia 20 de Julho com o Secretário-Geral e outros responsáveis do Conselho Directivo na sede da ANMP em Coimbra. Na base desta reunião esteve um documento com uma exposição de motivos sobre os problemas resultantes da aplicação do art.º 24º da LOE 2021, que consagra a atribuição imediata – desde 1 de Janeiro de 2021 – do Suplemento de Penosidade e Insalubridade (SPI) nas autarquias, assistindo-se regra geral, a uma aplicação desigual e muito insuficiente na abrangência do universo de trabalhadores e serviços, e nalguns casos, decorrido mais de meio ano da execução do OE 2021, da ausência de deliberação e do seu pagamento.

O STAL regista a concordância da Associação Nacional de Municípios Portugueses quanto ao universo muito limitado e restrito enumerado de forma incoerente na LOE, deixando de fora muitas actividades prestadas em condições de grande penosidade, bem como actividades extremamente insalubres com efeitos nocivos graves para a saúde dos trabalhadores e, excluindo o risco. É assim exigível regulamentar um suplemento mais abrangente que se estenda a todas as actividades prestadas nestas condições.

Ler mais...

Circuito Nacional de Denuncia hoje em Aveiro

IMG 20210726 105256 web d27d7O STAL e a FIEQUIMETAL promoveram esta segunda-feira (26 de Julho), uma Tribuna Pública em Aveiro (junto à Estação da CP). Depois de Coimbra e Guimarães, esta foi a terceira acção inserida no Circuito Nacional de Denúncia que juntou os trabalhadores da ERSUC – Aveiro.

A acção visa dar a conhecer publicamente os muitos problemas que afectam os trabalhadores do grupo EGF/Mota&Engil, e reafirmar a defesa dos direitos e das propostas reivindicativas apresentadas pelo Sindicato, que a empresa, de forma sistemática, tem procurado ignorar.

O circuito nacional tem paragem prevista para o próximo dia 2 de Agosto, em Celorico de Basto, pelas 10.00 horas, com uma Tribuna Pública frente à Câmara Municipal.

Ver fotos

Circuito nacional de denúncia prossegue em Aveiro

tribuna bfff8TRIBUNA PÚBLICA PARA DENUNCIAR SALÁRIOS DE MISÉRIA E INCUMPRIMENTOS NO GRUPO EGF/MOTA&ENGIL

O STAL e a FIEQUIMETAL promovem na próxima segunda-feira (26 de Julho), pelas 10h00, uma Tribuna Pública em Aveiro (junto à Estação da CP – Av.ª Dr. Lourenço Peixinho), para dar a conhecer publicamente os muitos problemas que afectam os trabalhadores do grupo EGF/Mota&Engil, e reafirmar a defesa dos direitos e das propostas reivindicativas apresentadas pelo Sindicato, que a empresa, de forma sistemática, tem procurado ignorar.
Depois de Coimbra e Guimarães, esta será a terceira acção inserida no circuito nacional de denúncia e juntará trabalhadores da ERSUC – Aveiro.

O grupo EGF/Mota&Engil insiste em fugir à discussão séria dos problemas, dos cadernos reivindicativos e da proposta de Acordo Colectivo de Trabalho (ACT) há muito apresentada pelas estruturas sindicais STAL, numa clara estratégia de aprofundar a exploração do trabalho, pagando salários de miséria, precarizando os vínculos laborais, discriminando trabalhadores, desrespeitando e violando direitos. Em suma, dividir para reinar.

Ler mais...

'Circuito Nacional de Denúncia’ em Guimarães

guimarães 3ec79O STAL e a FIEQUIMETAL promoveram esta terça-feira (20 de Julho), em Guimarães, mais uma Tribuna Pública, em que denunciaram publicamente os graves problemas laborais que afectam os milhares de trabalhadores do grupo EGF/Mota&Engil – nomeadamente a degradação crescente dos seus direitos e das suas condições de trabalho, e o desrespeito por parte da administração da empresa pelo direito à Contratação Colectiva –, e reafirmaram a defesa das propostas reivindicativas apresentadas à EGF/Mota&Engil, que se tem recusado a encetar um processo de negociação digno desse nome e ignorado as exigências dos trabalhadores.

Ver fotos

Ler mais...

Circuito nacional de denúncia prossegue em Guimarães

20Julho resinorte 4d147TRIBUNA PÚBLICA PARA DENUNCIAR SALÁRIOS DE MISÉRIA E INCUMPRIMENTOS NO GRUPO EGF/MOTA&ENGIL

O STAL e a FIEQUIMETAL promovem na próxima terça-feira (20 de Julho), pelas 15h00, uma Tribuna Pública em Guimarães (no Largo Toural), para dar a conhecer publicamente os muitos problemas que afectam os trabalhadores do grupo EGF/Mota&Engil, e reafirmar a defesa dos direitos e das propostas reivindicativas apresentadas pelo Sindicato, que a empresa, de forma sistemática, tem procurado ignorar.

Esta será a segunda acção inserida no «Circuito Nacional de Denúncia» que arrancou em Coimbra, no passado dia 12 e juntará trabalhadores da Resinorte – pólo de Riba de Ave.

O grupo EGF/Mota&Engil insiste em fugir à discussão séria dos problemas, dos cadernos reivindicativos e da proposta de Acordo Colectivo de Trabalho (ACT) há muito apresentada pelas estruturas sindicais STAL, numa clara estratégia de aprofundar a exploração do trabalho, pagando salários de miséria, precarizando os vínculos laborais, discriminando trabalhadores, desrespeitando e violando direitos. Em suma, dividir para reinar.

Ler mais...